outras notícias

PF realiza operação contra estelionato e fraudes previdenciárias na Bahia

Governo decide levar idade mínima para reformar Previdência

Poupança e previdência são boas opções, mas têm objetivos diferentes

Previdência cria cadastro único de servidores para evitar irregularidades com benefícios
Com portabilidade, troca de planos de previdência dobrou este ano
Segundo especialistas, investidor tem comparado taxas dos produtos e tem buscado investimento com retorno maior no longo prazo
Segunda-feira, 23 de julho de 2012
Taxas mais baixas e produtos com um perfil mais adequado à aposentadoria têm levado os investidores a trocar os planos de previdência. Os dados mais recentes da Federação Nacional da Previdência Privada e Vida (Fenaprevi) mostram que as operações de portabilidade - que permitem a troca de plano sem pagamento de imposto de renda e taxas - dobraram entre abril de 2012 e o mesmo mês no ano passado.

O valor financeiro dessas trocas atingiu R$ 453 milhões no período. Trata-se de um valor recorde e que representa um crescimento de 63% na comparação entre os mesmos meses.

"Claro que parte do crescimento acompanha a evolução natural do mercado, mas creio que o investidor está mais atento na comparação de produtos", afirma o vice-presidente da Fenaprevi, Osvaldo Nascimento. Ele explica que os números só consideram a portabilidade entre seguradoras. "Se levarmos em consideração a migração dentro da própria seguradora, o valor dobra", calcula Nascimento.

Parte desse movimento é explicado pelo momento econômico de juros mais baixos, que reduzem os ganhos dos planos conservadores de renda fixa. "Essas carteiras ainda representam a maioria das aplicações, mas o investidor tem buscado produtos que, no longo prazo, tendem a entregar um retorno maior, como os planos de renda variável ou multimercados", afirma Nascimento, que também é diretor executivo de produtos de investimento e previdência do Itaú Unibanco. Segundo dados da Anbima, do dia 16 de julho, 93,6% dos planos eram de renda fixa.

Fidelidade. Na Brasilprev, a portabilidade foi responsável pelo ingresso de R$ 465 milhões nos planos em 12 meses. Mas, além da troca de composição de carteira, a seguradora aponta outro motivo para o aumento do tipo de operação. "O mercado brasileiro é peculiar. O investidor tende a colocar sua poupança para aposentadoria no banco onde é cliente. Ele até faz uma pesquisa, mas acaba comprando o produto do banco. Quando ele troca de instituição, com o tempo, vai migrando os investimentos", explica o gerente de inteligência de mercado, Sandro Bonfim.

Em algumas seguradoras, a portabilidade é tão significativa que já representa mais de 50% da captação de recursos em 2012. "Em certos momentos chegou a ser 70% do dinheiro novo dos planos. De janeiro a maio de 2012 em relação ao mesmo período de 2011, a portabilidade representa 59% da captação", afirma a diretora de Previdência e Vida Resgatável da Mapfre, Maristela Gorayb.

A Mapfre, contudo, acredita que o maior motivo para a portabilidade é a escolha de planos de previdência com taxas menores. "Nosso carro-chefe, o Corporate Renda Fixa, possui 1,0% de taxa de administração, o que permite que ele tenha uma rentabilidade de 5,40% no ano até junho. O ganho é maior, se comparado ao oferecido pelo CDI, em 4,60%", diz. Maristela também conta que a taxa de saída é regressiva chegando a zero após 13 meses ou para uma carteira que some R$ 80 mil.
YOLANDA FORDELONE, ESTADAO.COM.BR - O Estado de S.Paulo
Av. Getúlio Vargas, 1157 - sala 1114
CEP: 90150-005 - Porto Alegre - RS
Fone: (51) 4066.3439
E-mail: fucae@terra.com.br